Ir para conteúdo principal

Notícias Conteúdo

28 de Junho de 2016

Instituto MS Competitivo realiza o segundo encontro com o MEG

 

Na tarde desta segunda-feira, 27, o Instituto MS Competitivo realizou o segundo encontro do Modelo de Excelência de Gestão (MEG) do Ciclo de 2016 e desta vez o foco está na troca de experiências. “Neste ano o MS Competitivo vem realizando encontros mensais para que o grupo participante possa trocar ideias sobre gestão. No encontro de hoje, a proposta é conhecer como as organizações têm implementado os modelos de gestão junto de suas unidades”, explicou Reginaldo Soares Lima, Diretor de Desenvolvimento do Instituto MS Competitivo.

A diretora-técnica do Movimento MS Competitivo, Olga Martinez, deu as boas vindas ao grupo e Reginaldo abriu a programação apresentando o SEGs (Sistema de Excelência em Gestão Sindical).

Os participantes puderam conhecer um pouco sobre o modelo customizado do MEG que o Exército vem utilizando. O coronel Walney Pinheiro de Ávila, do CMO (Comando Militar do Oeste) explicou que são usados os passos e oito critérios do MEG, mas as terminologias foram adaptadas. “Hoje temos essa possibilidade, porque não há um modelo engessado. Também temos nosso modelo de validação e autoavaliação e queremos compartilhar nossa experiência na implementação destas ações de gestão”.

Diego da Cunha, analista do Sistema OCB, ressalta a importância do intercâmbio entre os setores adotantes do MEG. “Percebemos que os desafios são similares, seja de uma empresa cooperativa ou de uma empresa do comércio ou até mesmo do Exército e que uma experiência nossa pode agregar aos outros setores e vice versa”.

A experiência do IEL Programa de Qualificação de Fornecedores (PQF) endossa a importância da gestão para a competitividade. No nono ano de implementação do sistema de qualidade em micro pequenas e médias empresas em Três Lagoas, os resultados apontam um sistema de gestão fortalecido, normatizado e que gera negócios. “Nós monitoramos os negócios neste período e foram mais de R$ 400 milhões gerados.  É uma das estratégias da Federação das Indústrias estadualizado programa”, diz o coordenador de Desenvolvimento Empresarial do IEL, Hugo Bittar.